Sherlock Holmes: The Awakened Remastered (PC)

Após uma ausência motivada por razões profissionais, é tempo de regressar às rapidinhas para mais um jogo da série Sherlock Holmes da Frogwares. O terceiro jogo da saga principal é este The Awakened, que possui uma temática bem mais obscura sobre o mito Lovecraftiano de Chthullu. Lançado originalmente em 2007, é o primeiro jogo da série que descarta os cenários pré-renderizados em detrimento de cenários renderizados em tempo-real e com uma liberdade total de movimentos na primeira pessoa. No ano seguinte é lançada uma versão remastered que, para além de alguns updates gráficos, permitiu também o regresso da perspectiva de terceira pessoa com mecânicas de jogo mais tradicionais de point-and-click. Tal como a maior parte dos jogos desta saga que tenho na minha conta steam, este também deu entrada há uns anos atrás através de um humble bundle comprado a um preço bastante acessível.

A história começa de uma forma muito ligeira: Sherlock Holmes está entediado sem nenhum mistério para resolver até que alguém pede ajuda pelo desaparecimento de um criado de algum ricalhaço lá do sítio. Ao investigar essa situação, Sherlock começa a descobrir um rasto de outros desaparecimentos semelhantes, ao que nos leva a investigar as docas de Londres. Lá acabamos por descobrir um armazém com uma cave secreta onde as pessoas raptadas eram mantidas, antes de serem transportadas em caixões para destinos incertos. É nessa altura que reparamos que a narrativa nos vai levando por contornos mais sinistros, com um culto maléfico por detrás não só de raptos, mas também de tortura e homicídios. É um jogo bem mais gore que os seus predecessores, e que nos leva a diferentes localizações fora do Reino Unido, tal como um manicómio nos confins da Suíça, ou a nova Orleães, nos EUA.

Tal como no seu predecessor teremos de analisar bem alguns cadáveres e outras pistas

Esta edição remaster deixa-nos alternar livremente entre uma perspectiva de primeira e terceira pessoa. Desta vez podemos pela primeira vez deslocarnos livremente pelos cenários, sem qualquer restrição a não ser as que o jogo por vezes nos impõe para desenrolar a história da melhor forma. O cursor do rato muda de forma quando passamos por alguma coisa que poderemos investigar de perto (lupa) ou interagir (mão). Para os puristas das mecãnicas de jogo point and click, podemos, na terceira pessoa, usar o rato para tudo. O sistema de inventário, tal como no jogo anterior, guarda todas as conversações que tivemos com NPCs, bem como documentos lidos e outras pistas que poderão ser úteis. Ocasionalmente teremos de fazer mesmo trabalho de detective, ao passar a lupa em cadáveres ou pegadas, para que Sherlock consiga descobrir algumas pistas. Também, na primeira fase do jogo, poderemos fazer algumas experiências no laboratório de Sherlock, mas esta componente mais de “mãos na massa” não está tão presente quanto no jogo anterior.

Desta vez o jogo aborda uma temática muito mais sinistra e não têm medo de chocar.

A nível gráfico este é um jogo que transita dos cenários pré-renderizados que caracterizaram os seus predecessores para um 3D real. Naturalmente que os gráficos acabaram por perder assim algum detalhe, mas não ficou mau de todo. As texturas de superfícies longas como o chão, ou paredes e muros é onde se nota mais alguma perda de qualidade. Mas sinceramente prefiro isso do que ter a movimentação toda capada pelo jogo. No que diz respeito ao som, o voice acting não é mau, principalmente nos diálogos de Watson e Holmes. Outras personagens já poderão não estar tão boas. Ao contrário do jogo anterior não temos música clássica a tocar a todo o tempo, com o jogo a optar por uma abordagem muito mais atmosférica e minimalista. Tendo em conta a temática sobrenatural deste jogo, acho que resulta melhor.

Sobre cyberquake

Nascido e criado na Maia, Porto, tenho um enorme gosto pela Sega e Nintendo old-school, tendo marcado fortemente o meu percurso pelos videojogos desde o início dos anos 90. Fã de música, desde Miles Davis, até Napalm Death, embora a vertente rock/metal seja bem mais acentuada.
Esta entrada foi publicada em PC com as etiquetas . ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.