Medal of Honor: European Assault (Nintendo GameCube)

Medal of Honor European AssaultContinuando com a 2ª Guerra Mundial como tema, tempo agora de revisitar o terceiro FPS da saga Medal Of Honor para as consolas da geração passada. Lançado em 2005 para Xbox, PS2 e Gamecube, este Medal of Honor tenta recuperar do fracasso que foi o Rising Sun, incorporando uma série de novas funcionalidades que irei relatar ao longo do artigo. A minha cópia foi comprada no ebay no ano passado, não me recordo quanto custou, mas sei que foi barato. Estranhamente é o único Medal of Honor que me chegou em condições a casa.

Medal of Honor European Assault GCN

Jogo completo com caixa e manual

Como o próprio nome indica, a Electronic Arts abandonou a guerra no pacífico introduzida nos 2 jogos anteriores da série (Rising Sun para consolas, Pacific Assault para PC) para voltar ao teatro de guerra em torno do velho continente (mais umas missõezinhas no norte de África), e ainda bem! Como disse no artigo anterior, a guerra no pacífico nunca me disse assim grande coisa. Novidades existem várias notáveis de se mencionar. A campanha single-player apresenta várias missões em 4 diferentes campos de batalha: França, Norte de África, União Soviética e Bélgica. Cada missão tem um certo número de objectivos principais (obrigatórios) e um outro número de objecivos secundários, alguns deles secretos. Essa introdução de objectivos ocultos permitiu uma maior abrangência nos mapas. Os mapas são mais abertos e é encorajada a sua exploração. Poderemos encontrar algumas antiaéreas para destruir, uns documentos secretos para encontrar etc. Um dos ojectivos secundários que é constante em todas as missões é derrotar um mini-boss, sempre um oficial Nazi. Esse mini boss está sempre acompanhado de uma série de outros soldados alemães, o que representa um bom desafio. O gajo demora bastante a morrer e não tem problemas nenhuns em encher o jogador de balas. Durante as missões temos à disposição um radar que indica a direcção dos objectivos principais a cumprir, bem como dos vários objectivos secundários que vão sendo descobertos. Completar os objectivos secundários não é obrigatório, mas é bastante encorajado, visto que em primeiro lugar aumenta consideravelmente a duração da campanha e somos recompensados por o fazer. O facto de os níveis serem mais abertos não quer dizer que não existam alguns momentos épicos préconcebidos como tem sido habitual na série, porque eles existem sim.

screen

Ecrã de apresentação dos objectivos antes de iniciar uma missão.

Uma outra grande novidade neste jogo é a hipótese de podermos controlar um pequeno esquadrão de 3 pessoas para nos ajudarem nas missões. Podemos mandá-los limpar uma sala, no nosso lugar, ou ficar a defender um ponto enquanto que o jogador vai tratar de outro assunto qualquer, ou então no caso default, deixar o esquadrão seguir-nos e ir batalhando ao mesmo ritmo que o jogador. A ideia não é má, a execução é que não é a melhor. A inteligência artificial destes soldados deixa um pouco a desejar, eles não são muito bons em procurar abrigo e expõe-se demasiado ao fogo inimigo. Não é obrigatório que todos eles cheguem vivos ao final de cada missão, mas somos recompensados por um medkit por cada soldado que sobreviva. Os nossos soldados possuem uma barra de energia, que pode ser restaurada utilizando um dos nossos medkits, adicionando assim um toque extra de estratégia. Infelizmente o botão para curar membros do esquadrão é o mesmo botão para recarregar a arma, o que às vezes pode dar problema e acabarmos por gastar o nosso último medkit num gajo qualquer, em vez de recarregarmos a nossa arma.

screen

Os nossos amigos à nossa volta enquanto rebentamos com qualquer coisa

Quanto a save, este Medal of Honor não tem um autosave durante as missões, sendo que apenas se pode gravar o progresso do jogo no final de cada missão. No entanto, para evitar recomeçar uma missão do início sempre que se morre, existem espalhados pelo mapa alguns preciosos power-ups de “vidas” com o nome de “Revive Unit“. Como à moda antiga, ao morrer no campo de batalha somos miraculosamente ressuscitados no mesmo ponto. Quando se esgotarem as vidas, então teremos forçosamente de recomeçar desde o último save. Ainda falando de novidades, este jogo apresenta uma barra de adrenalina. Ao fim de dar alguns head-shots e sobreviver ileso de algum fogo inimigo, a barra fica cheia e poderemos usar um poder especial à lá Matrix, onde a acção fica toda em câmara lenta (excepto o jogador que ainda assim se movimenta mais rápido que os adversários), e os nossos tiros ficam mais poderosos. Contudo tudo o que é bom acaba depressa…

Basicamente as novidades são essas. No quesito gráfico, pessoalmente foi o Medal of Honor que mais me agradou para a GameCube. Apesar de não haver grande detalhe e variedade nos modelos dos soldados (excepto os miniboss que se destacam pela positiva), bem como alguns edifícios e veículos, as armas estão mais detalhadas. Mas o que mais me deixou satisfeito foi a aplicação de gloom lighting nos cenários. Para 2005 era algo ainda novidade nas consolas correntes.

screen

A arma que mais gozo me deu

Quanto ao som continua excelente, como tem sido apanágio da série, contribuindo bastante para a imersão do jogador na acção. A nível de jogabilidade, ainda são mantidos +/- o mesmo esquema de controlo nos 2 jogos anteriores, com o uso do D-Pad para comandar tropas ou usar alguns power ups. Quanto à vertente multiplayer, Medal of Honor European Assault é uma edição mais uniforme entre as 3 plataformas, com a exclusão do modo online. Enquanto que para os donos de PS2 e Xbox isso possa ter sido uma grande falha, infelizmente para os donos de Gamecube era algo que já era habitual, apesar de a consola poder desempenhar esse papel. O multiplayer cinge-se então ao já conhecido split-screen até 4 jogadores, sendo que desta vez são incluídos vários modos de jogo, desde os velhinhos Deathmatch e Team Deathmatch, passando por Capture de Flag e várias variantes desse modo: King of the Hill, Getaway, entre outros modos de jogo.

Finalizando, este foi o Medal of Honor que mais gozo me deu jogar na Gamecube, embora considere que o Frontline teria mais potencial com uma engine mais trabalhada. Gostei das novidades que introduziram, principalmente os objectivos secundários escondidos, que obrigavam a uma maior exploração do mapa. A apresentação geral do jogo na minha opinião também está muito boa. Ainda me falta mais um Medal of Honor presente na minha colecção para falar, o Vanguard para PS2. Mas como ainda não o acabei, provavelmente devo escrever sobre um outro jogo qualquer na próxima vez e só depois nesse último Medal of Honor. Até lá.

Sobre cyberquake

Nascido e criado na Maia, Porto, tenho um enorme gosto pela Sega e Nintendo old-school, tendo marcado fortemente o meu percurso pelos videojogos desde o início dos anos 90. Fã de música, desde Miles Davis, até Napalm Death, embora a vertente rock/metal seja bem mais acentuada.
Esta entrada foi publicada em GameCube, Nintendo com as etiquetas . ligação permanente.

2 respostas a Medal of Honor: European Assault (Nintendo GameCube)

  1. Este MoH até me parece bem. Passou-me completamente ao lado na época mas como já referi, estava farto de MoH. 🙂

  2. Pingback: Medal of Honor Vanguard (Sony Playstation 2) | Green Hills Zone

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.