Shining Force II (Sega Mega Drive)

De volta à série Shining da Sega, este segundo Shining Force é mais um RPG estratégico desenvolvido pela extinta Sonic! Software Planning, agora mais conhecida como Camelot. E foi um dos jogos que já tinha terminado há cerca de 20 anos atrás, pelo que resolvi voltar a jogá-lo uma vez mais antes de escrever este artigo. É um jogo mais longo que o seu antecessor e introduz também uma ou outra novidade interessante que já veremos em seguida. O meu exemplar foi comprada na antiga loja da 1UP em Lisboa, algures em Julho de 2018 por 60€.

Jogo com caixa e manuais

A história decorre após os eventos do primeiro Shining Force (e por consequência, após os eventos do Shining Force CD / Gaiden 1 e 2), embora não exista nenhuma ligação directa entre as narrativas e personagens dos dois jogos (algo que o SF Gaiden 3 veio corrigir). Aliás, a narrativa é apresentada de uma forma algo surpreendente. Logo após o logotipo da Sega desaparecer do ecrã, vemos uma cena com um conjunto de ladrões a entrar num monumento antigo e roubar um dos seus tesouros. O problema é que esse tesouro era a única coisa que estava a selar uma entidade maligna muito poderosa numa outra dimensão. Após essa introdução, somos levados a controlar o Bowie, mais um jovem espadachim e alguns dos seus amigos para investigar o que aconteceu na noite passada. E os espíritos e demónios libertados naquela noite começam a causar problemas. A princesa Elis do reino de Granseal foi raptada e um espírito possuiu o rei de Galam, reino vizinho, que decide começar uma guerra com Granseal que os força a emigrar para um outro continente, onde terão de recomeçar a sua vida do zero.

Tal como nos predecessores, cada personagem possui um inventário limitado de 4 itens, incluindo equipamento

No que diz respeito às mecânicas de jogo, este é mais um RPG táctico onde em cada batalha poderemos controlar as nossas forças individualmente, sendo que cada personagem da nossa party pertence a uma classe, que por sua vez terá particularidades e stats diferentes. O tipo de terreno também influencia a mobilidade de cada tipo de tropa, temos unidades de combate próximo que apenas conseguem atacar inimigos que lhes estejam adjacentes, mas também vamos ter arqueiros ou cavaleiros que, quando equipados com lanças, nos permitem atacar com alguma distância. Feiticeiros e curandeiros possuem magias que tanto podem ser ofensivas ou de suporte e muitas delas também permitem inclusivamente serem usadas em mais que um alvo em simultâneo. As batalhas decorrem por turnos, onde cada unidade no terreno (aliado ou inimigo) terá o seu próprio turno. Lá teremos então de movimentar as tropas para as posições que pretendemos, sendo que posteriormente poderemos atacar (caso exista algum inimigo no nosso alcance), mas também usar magias, usar/equipar itens ou até trocar itens entre unidades aliadas adjacentes. À medida que vamos avançando no jogo vamos também recrutar muitas mais personagens que se juntam à nossa causa, mas temos um número máximo de tropas que podem combater, pelo que também teremos de fazer essa gestão.

Tal como no primeiro Shining Force, podemos explorar livremente o mundo e suas localizações

Mas já o primeiro Shining Force não era um RPG táctico tradicional, pois também tinha a componente de exploração do mapa mundo e aldeias/cidades, repletas de NPCs para dialogar e lojas para visitar tal como noutros JRPGs clássicos. E isso está também aqui presente. Uma das novidades nesta sequela é o facto de ser mais não-linear, na medida em que a história não está dividida em capítulos e poderemos revisitar locais antigos a qualquer momento. Para além disso, temos também algumas áreas específicas no mapa capazes de despoletar batalhas aleatórias, o que é uma mais valia para treinar as nossas forças, até porque os inimigos escalam consoante o nível actual do Bowie. No entanto, a estratégia de derrotar todos os inimigos excepto o boss, desistir da batalha e voltar a tentar do início continua a uma boa forma de ganhar experiência. Tal como no primeiro jogo, poderemos também promover unidades para classes superiores, permitindo inclusivamente ganhar habilidades novas. A novidade aqui é que certas classes podem ser promovidas para duas classes distintas, mediante se tivermos algum item específico equipado ou não. Por exemplo, os Knights tipicamente podem ser promovidos a Paladins, mas se encontrarmos o item Pegasus Wing e o equiparmos num cavaleiro, este poderá ser promovido a Pegasus Knight, que apesar de possuir menos defesa, tem a vantagem de ser um cavaleiro alado, logo sem qualquer restrição de movimento. Os Mages tipicamente são promovidos para Wizards, mas se encontrarmos o item Secret Book, poderemos promover um Mage à classe de Sorcerer, onde perdemos todas as magias previamente aprendidas, mas ganhamos a possibilidade de aprender feitiços ofensivos (summons) inteiramente novos, muito poderosos, e exclusivos a esta classe. Entre outros exemplos, como os Barons, Brass Gunners ou Master Monks que por sua vez já existiam nos Shining Force anteriores.

O detalhe gráfico dos combates em si está melhorado face ao primeiro Shining Force

A nível gráfico nota-se uma boa evolução perante o primeiro Shining Force. Nomeadamente no detalhe das sprites, cenários e animações de batalha. O jogo está portanto dividido entre as secções de exploração e de posicionamento táctico durante as batalhas, que ambas possuem uma perspectiva vista de cima, típica dos JRPGs das eras 8 e 16bit. Porém quando nas batalhas existe um confronto, a câmara transita para uma perspectiva nas costas do nosso soldado que está a atacar ou defender. E aí também se nota uma boa evolução no detalhe gráfico e animações de combate quando comparados com o primeiro jogo. A banda sonora é também mais variada, com músicas mais alegres particularmente quando exploramos o mapa mundo e algumas localidades, mas também com aquelas músicas com uma percursão mais típica de marchas militares, quando estamos em batalha.

Portanto este Shining Force II é mais um excelente RPG da era 16bit, e tendo sido lançado numa consola que não tem uma biblioteca tão grande de RPGs quanto a dos seus concorrentes directos (SNES e PC-Engine), acaba por ser um título que se destaca ainda mais por isso mesmo. Para mim é só ultrapassado pelo Phantasy Star IV! As suas mecânicas de jogo mais simples quando comparadas às de títulos como Fire Emblem ou Langrisser (para mencionar apenas títulos contemporâneos) tornam este título (assim como o seu predecessor) uma óptima porta de entrada para quem quiser se aventurar pelos RPGs mais tácticos.

Sobre cyberquake

Nascido e criado na Maia, Porto, tenho um enorme gosto pela Sega e Nintendo old-school, tendo marcado fortemente o meu percurso pelos videojogos desde o início dos anos 90. Fã de música, desde Miles Davis, até Napalm Death, embora a vertente rock/metal seja bem mais acentuada.
Esta entrada foi publicada em Mega Drive, SEGA com as etiquetas . ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.