The Blues Brothers (Super Nintendo)

Lembro-me perfeitamente de, na escola, usar o computador da sala de estudo para “estudar”. Estudar videojogos que eu, e outros alunos, instalavamos por lá, claro. Um desses era um jogo de plataformas da Titus, o Blues Brothers, que curiosamente apenas joguei lá na escola, nunca o cheguei a copiar e jogar em casa. Este The Blues Brothers para a Super Nintendo é também um jogo de plataformas da Titus, mas também uma sequela ao Blues Brothers de 1991 que referi acima. Este novo jogo é conhecido noutras plataformas como The Blues Brothers: Jukebox Adventures. O meu exemplar foi comprado no mês passado numa Cash Converters, creio que me custou uns 15€.

Cartucho solto

E este é mais um daqueles videojogos genéricos onde uma empresa pega numa licença de um filme conhecido e produz um jogo que não tem nada a ver com o material original. Estamos aqui perante então mais um jogo de plataformas em 2D, mas que infelizmente não tem nada de realmente extraordinário e que o demarque dos demais. Podemos então controlar os irmãos Jake ou Elwood e os controlos são simples, com um botão para saltar, outro para correr e um outro para disparar projécteis, que neste jogo são discos de vinil que se encontram às dezenas espalhados pelos níveis. O objectivo de cada nível é o de encontrar uma jukebox, que sinaliza a sua saída. Teremos então 34 níveis de puro platforming, uns mais complicados que outros, ao exibirem vários obstáculos como abismos, espinhos em paredes, inimigos por todo o lado, plataformas móveis ou outras armadilhas como raios eléctricos. Nós temos uma barra de vida que é medida em corações e ao longo dos níveis poderemos encontrar inúmeros itens para apanhar, como os tais discos de vinil que servem de munição, corações para restabelecer a nossa barra de vida, vidas extra, extensões de tempo para terminar o nível, invencibilidade temporária, entre outros. Um dos power ups que podemos encontrar são fatias de bolo e estas transformam os irmãos em gajos todos musculados e que me pareceram capazes de saltar mais alto também.

Após o ecrã título, podemos escolher quais dos irmãos queremos controlar

Até aqui tudo bem, temos a receita para um jogo de plataformas algo genérico, mas também não esperem por grandes facilidades. Os níveis são curtos e muitos deles podem ser completados em menos de um minuto, mas cada vez vamos tendo mais obstáculos pela frente e a inércia em demasia que as personagens ganham não ajudam nada nos saltos mais precisos. Vai ser muito frequente a personagem não travar a tempo e escorregar de uma plataforma, sofrendo dano no processo ou perdendo mesmo uma vida. De resto, existe também um modo de jogo cooperativo (com menos níveis, aparentemente), onde as personagens jogam em simultâneo e teriam de cooperar entre si para atravessar alguns desafios de platforming. Não cheguei a experimentar este modo de jogo, até poderá ser divertido, embora as críticas que li digam que é muito frustrante devido ao sistema de colisões entre ambos os jogadores.

Graficamente não é o jogo mais excitante de sempre

Já no que diz respeito aos audiovisuais, infelizmente estava à espera de melhor. Não há uma grande variedade de cenários, temos uma floresta cheia de cogumelos que servem de molas para nos fazer saltar mais alto, uma espécie de uma fábrica e umas dungeons cheias de correntes que podem ser escaladas, bem como outros obstáculos. Os níveis vão alternando entre estras 3 zonas, pelo que não há mesmo grande variedade dos cenários. E os que existem, também não são propriamente dos mais bonitos que já viram numa SNES. As músicas também são uma desilusão. Sendo um jogo dos Blues Brothers, estava à espera que tivesse uma banda sonora à altura, mas infelizmente não foi o caso. Para além de haverem poucas músicas, e algumas até terem um cheirinho de blues, estas sinceramente nem fazem justiça ao filme, nem às capacidades do chip de som da SNES.

Portanto estamos aqui perante um jogo que apesar de não ser o platformer mais excitante que podem encontrar na Super Nintendo, também não é tão mau quanto isso, pois vai apresentando alguns bons desafios de platforming. Pena é que seja tão genérico, a todos os níveis.

Sobre cyberquake

Nascido e criado na Maia, Porto, tenho um enorme gosto pela Sega e Nintendo old-school, tendo marcado fortemente o meu percurso pelos videojogos desde o início dos anos 90. Fã de música, desde Miles Davis, até Napalm Death, embora a vertente rock/metal seja bem mais acentuada.
Esta entrada foi publicada em Nintendo, Super Nintendo com as etiquetas . ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.