Chakan The Forever Man (Sega Mega Drive)

Voltando à Mega Drive, vamos ficar agora com mais um dos seus jogos de acção. Por acaso, por mais uma vez já cá trouxe a versão 8bit do mesmo jogo, lançada para a portátil Game Gear, que aborda as mesmas mecânicas de jogo, mas com um resultado mais modesto. O meu exemplar foi comprado a um particular no reino unido, tendo vindo num pequeno bundle de vários jogos para a Mega Drive algures em Julho. Custou-me à volta de 10 libras se bem me recordo.

Jogo com caixa e manual

Aqui encarnamos uma vez mais no herói amaldiçoado Chakan. Este era um poderoso guerreiro que nunca havia perdido um combate na sua vida. Na sua arrogância resolve fazer uma aposta com a própria Morte onde, se a vencesse num duelo, ganharia a imortalidade. E de facto ganhou a sua batalha e ficou imortal, mas a um custo muito grande: Agora Chakan deve servir a própria Morte e derrotar uma série de demónios, só depois poderá ganhar o seu descanso.

Visualmente é um jogo muito sombrio, gostei bastante!

Somos largados num hub onde poderemos entrar em diversos portais e explorar diferentes mundos. Cada mundo possui 3 níveis, onde no final de cada nível teremos sempre um boss para derrotar, sendo que o boss principal desse mundo ficará no terceiro nível. Apesar de Chakan possuir uma barra de vida, na verdade ele é imortal, pelo que “morrermos” num nível, acabamos por ser cuspidos de volta para fora do portal e convidados a tentar de novo. Temos também um tempo limite para completar os 3 níveis de cada mundo, caso falhemos esse tempo limite, teremos de recomeçar o mundo do zero. Chakan começa o jogo com as suas espadas duplas (que podem ser direccionadas enquanto atacamos com o D-Pad), salto duplo e a capacidade de rolar sobre si mesmo, ambas habilidades bastante úteis e que teremos de as usar com mestria. Mas ao longo do jogo poderemos adquirir novas armas que nos conferem diferentes habilidades, como um martelo que permite mandar abaixo algumas paredes, uma ceifa para “cortar” algumas superfícies como as teias de aranha, ou um gancho que nos permitirá balancear entre plataformas.

As diferentes poções que vamos apanhando podem ser misturadas para dar efeitos distintos

Ao longo do jogo podemos também ir coleccionando uma série de poções que representam um interessante sistema de alquimia. Ao misturar estas poções podemos adquirir efeitos como regeneração da barra de vida, aumentar a altura dos seus saltos, ou imbutir as suas armas com dano elemental. Ora todas estas mecânicas de jogo são bastante interessantes e convém que nos habituemos depressa a tirar todas as vantagens das mesmas. Isto porque o jogo é bastante difícil, temos inimigos em todo o lado, bastantes obstáculos para evitar e mesmo que joguemos de uma forma mais cautelosa, é muito fácil sofrer dano e acabarmos por ser cuspidos de volta para o hub world. As coisas ficam ainda mais complicadas depois de termos ultrapassado os primeiros 3 mundos que supostamente decorrem em “planos terrestres”, pelo que deveremos explorar 4 mundos elementais, todos com demónios ainda mais ferozes.

Claro que teremos vários bosses para defrontar

A nível audiovisual, é um jogo que me deixa com sentimentos mistos. Por um lado até gosto do seu grafismo, apresenta um 2D relativamente bem detalhado, com níveis muito sinistros e repletos de temas e inimigos infernais, o que me agrada e acaba por resultar bem. Por outro lado acho as músicas horríveis, mesmo algumas delas tendo uma temática mais rock que à partida seria algo que me agradaria. Mas as “guitarras” são demasiado estridentes e incomodativas. É uma pena.

Portanto este Chakan é um interessante jogo de acção/plataformas e a meu ver teria todo o potencial para uma eventual sequela num estilo mais metroidvania. A sua não linearidade no progresso do jogo, o sistema de alquimia e as armas que nos conferem diferentes habilidades, permitindo-nos explorar cada nível mais a fundo, são todas boas fundações para um jogo neste subgénero. Mas sendo Chakan baseado numa banda desenhada algo obscura, a nível de licenciamento deverá ser mais complexo algum dia vermos uma sequela deste jogo.

Sobre cyberquake

Nascido e criado na Maia, Porto, tenho um enorme gosto pela Sega e Nintendo old-school, tendo marcado fortemente o meu percurso pelos videojogos desde o início dos anos 90. Fã de música, desde Miles Davis, até Napalm Death, embora a vertente rock/metal seja bem mais acentuada.
Esta entrada foi publicada em Mega Drive, SEGA. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.