Resident Evil (Nintendo Gamecube)

RE 1 RemakeUma das razões que me fez escolher a Gamecube como a consola de eleição da geração passada algures em 2002, foi o facto de a série principal Resident Evil se tornar “Exclusiva” para a nova consola da Nintendo (o que obviamente acabou por não acontecer). Junto desse anúncio foram mostradas imagens de um remake do primeiro jogo da série, com gráficos modernos e puzzles repensados. Bom, eu babei-me ao ver aquilo e ainda com o anúncio do Resident Evil Zero com o mesmo motor gráfico e futuramente sair exclusivamente o Resident Evil 4, foi razão mais que suficiente para eu ter torrado cerca de 260€ por uma Gamecube e um jogo em 2002. O meu jogo foi comprado a um amigo meu da escola secundária por cerca 30€, está em boas condições.

Resident Evil GC

Jogo completo com caixa e manual

Resident Evil é um jogo e uma série que dispensa apresentações. Apesar de os survival horrors como os conhecemos hoje tenham nascido com o Alone in the Dark da Ubisoft, Resident Evil (Biohazard no Japão) foi a série que definitivamente popularizou o género, gerando vários clones e outros jogos que se tenham inspirado nesta série. O jogo original saiu em 1996 para a Playstation, apresentava a história de 2 membros da polícia especial de Racoon City (S.T.A.R.S.) numa missão de resgate de uma outra equipa STARS que tinha sido perdida nos bosques de Racoon City, equipa essa que por sua vez se encontrava a investigar a origem de vários crimes macabros: desaparecimento de pessoas, e vítimas com indícios de canibalismo. Os protagonistas chamam-se Chris Redfield e Jill Valentine, nomes sonantes nos vários Resident Evil que se vieram a suceder. A segunda equipa S.T.A.R.S. acabou por ser também atacada no bosque por cães zombies e procuram refúgio numa mansão próxima, que servia de instalações da empresa farmaceutica Umbrella Corporation. Os membros sobreviventes Chris, Jill, Barry e o líder Wesker decidem separar-se de modo a encontrar sobreviventes dos restantes S.T.A.R.S. e arranjar uma forma de eles próprios sairem dali em segurança. Assim começa a aventura onde o jogador decide se quer jogar com o Chris ou a Jill. Com o decorrer da aventura vão descobrindo muitos horrores, zombies por todos os lados e outras criaturas geneticamente modificadas através do T-Virus desenvolvido pela Umbrella. O resto… joguem vocês!

screenshot

ângulos esquisitos que aumentam a tensão do jogo - este nem tanto

Eu devo confessar que, por nunca ter tido nenhuma consola da Sony até este ano, a versão original do Resident Evil pouco me passou pelas mãos. Apenas joguei um pouco da versão PC e PS1 através de emulação. Portanto, ao contrário de muitos veteranos do jogo original, Resident Evil foi uma experiência completamente nova para mim neste remake. A Capcom afirma que alterou 70% do jogo, desde salas com o design trocado, novos puzzles, puzzles antigos modificados, mais armas, modos de jogo, inimigos, a história secundária de George Trevor, bem como menções a protagonistas dos jogos seguintes, de modo a tapar buracos na história que existiam anteriormente. A história principal em si permaneceu inalterada. Escolher Chris ou Jill leva o jogo por caminhos diferentes, aumentando o replay value. Além disso Chris e Jill apresentam diferenças na sua jogabilidade. Jill é mais rápida, mas mais fraca e tem uma maior capacidade de armazenamento de items. Já o Chris é mais forte, porém mais lento e com capacidade para levar menos 2 items que a Jill.

screenshot

Jill a explorar a sala... uma passagem secreta talvez?

O gameplay permanece +/- o mesmo do jogo original, contudo introduzindo algumas novidades dos jogos seguintes tal como a volta rápida de 180º. De resto são na mesma os “tank controls” que os jogos clássicos da série tão bem eram conhecidos. Este esquema demora um pouco a acostumar e dificulta a experiência do jogo desnecessariamente. A Capcom  introduziu porém novos métodos de controlo secundários, mas são igualmente confusos. Uma outra novidade no gameplay deste remake consiste na introdução de items defensivos, que são utilizados automaticamente quando um inimigo agarra a personagem. Temos facas, tasers para a Jill ou granadas para Chris. O jogo decorre ao longo de várias áreas de uma enorme mansão, inclusivamente os subterrâneos que albergam laboratórios cheios de aberrações. Muitas criaturas vão sendo encontradas, puzzles para desvendar. Como disse acima os personagens têm um certo número de items que podem carregar ao mesmo tempo muitos deles importantíssimos para a sobrevivência ou para resolver puzzles. Contudo existe um sistema de “arcas mágicas” ao longo do jogo onde podemos alojar os items que não precisamos para mais tarde os utilizar. Os items que guardarmos numa arca ficam acessíveis em todas as outras (excepto no modo de jogo “Real Survival”). Os zombies estão mais inteligentes. Podem abrir portas, rebentar janelas (belos sustos que isto me rendeu), inclusive num ou noutro modo de jogo temos um certo zombie familiar que nos pressegue ao longo da mansão, repleto de granadas presas ao seu corpo que se tivermos a infelicidade de lhe dar um tiro é game over na certa. Ao completarmos o jogo vamos desbloqueando várias coisas, desde novas vestimentas para as personagens, novas armas (incluindo um lança rockets com munição infinita – adoro esta arma), 3 novos modos de jogo: Real Survival, Invisible e One Tough Zombie e até artwork ou mensagens deixadas pelos próprios criadores do jogo. Replay value ao máximo.

screenshot

Bicho bonito, é melhor fazer-lhe umas festinhas com a shotgun.

Graficamente o jogo é belíssimo, deixou-me de queixo caído da primeira vez que o vi em funcionamento. Os cenários, apesar de serem pré-renderizados e com câmaras fixas, encontram-se muito bem feitos e detalhados. Os modelos tanto das personagens principais como das próprias criaturas são uma delícia para os olhos ainda nos dias de hoje. Aqueles bosses gigantes são realmente um espanto. Além disso a Capcom conseguiu desenvolver um óptimo sistema de iluminação e de sombras que interage perfeitamente com os cenários pré-renderizados. Detalhes como as partículas da cabeça de zombies a serem desintegradas a tiros de shotgun são fenomenais. O som também se encontra bem conseguido. As vozes e diálogos foram todas regravadas dando um tom mais sério ao jogo, ao invés do diálogo digno de filmes de série B presentes no jogo original. As criaturas soam aterradoras e é possivel ouvir os seus passos e gemidos, mesmo que não os consigamos ver, aumentando assim o clima de tensão presente no jogo. Toda esta conjugação de visuais fantásticos e som bem definido, aliado aos corredores apertados e escuros de uma mansão sinistra, bem como outras áreas como o seu cemitério, túneis e laboratórios, tornam este Resident Evil, na minha opinião, como o mais assustador de toda a série. Apenas Resident Evil Zero chegou lá perto (também por usar o mesmo motor de jogo e ter uma mansão própria).

screenshot

Este boss é fenomenal

Sinceramente, depois deste jogo nem fiquei com vontade de jogar o original. Este remake é tão bem conseguido que voltar às texturas, modelos e voice acting da versão PS1 até parece crime. Ainda assim conto em comprar uma das versões existentes do jogo original para colecção. Este Remake porém foi relançado na Wii, mantendo todo o seu esplendor da versão Gamecube e adicionar suporte ao Wiimote. Sejam veteranos da série Resident Evil, ou simplesmente gostam de jogos de terror, não deixem escapar esta pérola.

Sobre cyberquake

Nascido e criado na Maia, Porto, tenho um enorme gosto pela Sega e Nintendo old-school, tendo marcado fortemente o meu percurso pelos videojogos desde o início dos anos 90. Fã de música, desde Miles Davis, até Napalm Death, embora a vertente rock/metal seja bem mais acentuada.
Esta entrada foi publicada em GameCube, Nintendo com as etiquetas . ligação permanente.

2 respostas a Resident Evil (Nintendo Gamecube)

  1. Confesso que o que me levou a jogar este remake foi mesmo a parte visual e as pequenas adições que juntaram à história, como por exemplo a Lisa Trevor e tudo relacionando. Ainda assim, a sensação nostálgica continua com o original por tê-lo jogado vezes sem conta como deves calcular.

    • cyberquake diz:

      Sim, a Lisa Trevor foi um episódio interessante do jogo. O original pretendo comprar ou a versão Directors Cut da PS1, ou mesmo a versão Saturn que também tem uns extras exclusivos. Ou então as 2, num médio prazo. 😛

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.