Virus: It is aware (Sony Playstation)

A Cryo não produzia apenas aventuras gráficas, muitas delas de qualidade algo questionável. Um dos jogos que lançaram em 1999 foi este Virus: It is Awake. Nitidamente influenciado pela moda dos survival horrors, este é um jogo baseado num filme que aparentemente não é grande coisa e que por sua vez era baseado numa banda desenhada do início dos anos 90. Sinceramente nunca tinha ouvido falar de nenhum dos três projectos, mas quando vi este jogo ao desbarato numa feira de velharias algures em Julho deste Verão e me pareceu um survival horror decidi arriscar e trazê-lo. Que erro.

Jogo com caixa, manual e papelada

Ora este Virus aborda um vírus alienígena que está a contaminar humanos, transformando-os numa espécie de zombies cibernéticos, meio humanos, meio máquinas, o que por si só já é um conceito estranho. Nós encarnamos na polícia Joan que, em conjunto com o seu colega Sutter, recebem a missão de investigar estranhos acontecimentos no hotel Nakomi. Ao chegarem lá apercebem-se que estão perante um surto desse vírus e o resto é basicamente sobreviver e resgatar civis a são e salvo.

A única forma de regenerar a nossa vida durante os níveis é quando um dos NPCs nos decide curar

Bom, apesar de eu ter referido acima que o jogo é inspirado nos survival horrors, um género muito em voga em 1999, na verdade as mecânicas de jogo são mais de acção, mas implementadas de uma maneira muito pobre, a começar pelos controlos que são atrozes. Para além dos tank controls e um strafing terrível, os restantes botões faciais servem para disparar as armas primárias, secundárias e interagir com objectos (nomeadamente alguns interruptores que iremos encontrar para abrir portas e afins). Os restantes botões de cabeceira servem para alternar entre as diferentes armas primárias e secundárias que vamos obtendo. A arma primária por defeito é uma pistola com munições infinitas, já a principal arma secundária é um taser que vai precisando de recargas depois da sua utilização. Outras armas que vamos encontrando já vão tendo munições limsitadas. Não temos qualquer medkit, a nossa vida é apenas regenerada em certos pontos de cada nível, onde os NPCs nos curam, ou na transição de níveis. De resto a jogabilidade é só isto. Explorar minimamente os níveis e combater com controlos muito maus. Não há power ups, não há puzzles para resolver, itens para investigar, nada. Joan move-se de maneira desastrosa e lenta, o que para combater não é nada bom. E o facto de não termos qualquer botão para dar uma volta instantânea de 180º como acontece noutros survival horrors, era algo que daria muito jeito.

Não se deixem enganar pelos screenshots da traseira da caixa pois são todos retirados da cutscene de abertura em CGI

Ok, já todos percebemos o quão maus são os controlos e as mecânicas de jogo como um todo. Mas qual é o seu aspecto? Infelizmente é tão mau quanto o resto. Os cenários, inimigos e personagens, para além de não serem nada de especial, mesmo considerando as limitações da PS1, estão repletos de problemas de warping de texturas ou mesmo do seu desaparecimento por completo. Os inimigos possuem um design muito fraco, mas a maior parte das vezes nem conseguimos vê-los em condições pois alguns cenários são bastante escuros e a câmara também não ajuda. A nível de som? Também está muito mau, desde os efeitos sonoros, bem como as suas músicas. Narrativa? Não há qualquer voice acting e os diálogos, pelo menos os em inglês, estão repletos de erros ortográficos. Mas não havia equipa de Quality Assurance aqui? Parece que a única coisa em que a Cryo investiu foi mesmo nas cutscenes de abertura e final do jogo, pois são em CGI.

Resumindo, este Virus é uma porcaria. Parece um produto totalmente inacabado, seja pelos seus maus controlos, mau game design como um todo e maus audiovisuais e apresentação. Comprar jogos algo às cegas por vezes traz-nos surpresas agradáveis, mas desta vez a surpresa foi tudo menos positiva. Passem longe.

Sobre cyberquake

Nascido e criado na Maia, Porto, tenho um enorme gosto pela Sega e Nintendo old-school, tendo marcado fortemente o meu percurso pelos videojogos desde o início dos anos 90. Fã de música, desde Miles Davis, até Napalm Death, embora a vertente rock/metal seja bem mais acentuada.
Esta entrada foi publicada em PS1, Sony com as etiquetas . ligação permanente.

Uma resposta a Virus: It is aware (Sony Playstation)

  1. Esse jogo parece ser uma bomba mesmo. Vou passar longe! Ok. Talvez eu jogue um pouquinho. Só por curiosidade. 🙂 Tem jogos de PS1 que a imagem tende a ficar escura. É irritante mesmo. Alguns jogos vem até com o recurso de aumentar o brilho. Ajustar o brilho é coisa mais comum em portáteis. Obviamente porque eram carregados por locais claros ou escuros mas… em consoles é estranho.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.