Tiny Toon Adventures 2: Montana’s Movie Madness (Nintendo Gameboy)

Continuando pelas rapidinhas, vamos ficar com mais um jogo de plataformas dos Tiny Toons, cuja licença da franchise durante os anos 90 estava com a Konami, que por sua vez nos trouxe vários bons jogos desta série para a Gameboy, NES, Super Nintendo ou Mega Drive. Este meu exemplar foi comprado algures em Setembro no flea market do Porto, custando-me 4€ se bem me recordo.

Apenas cartucho

A história é bastante simples como habitual. O riquinho Montana Max decidiu exibir uma série de maus filmes protagonizados pelo próprio e o Buster Bunny decide estragar-lhe os planos, saltando para dentro dos seus próprios filmes. Como já devem ter adivinhado, vamos participar numa série de clichés do cinema, começando pelos westerns, passando pelos filmes de samurais, futuristas ou de terror.

Graficamente é um jogo bem detalhado, com níveis bastante distintos entre si.

No que diz respeito aos controlos, estes são relativamente simples, com um botão para saltar e outro para atacar com pontapés, embora nem todos os inimigos possam ser derrotados dessa forma. Alguns só mesmo saltando-lhes para cima, como habitualmente em muitos jogos de plataformas.Também temos a possibilidade de sair a correr, mas temos de pressionar primeiro no botão direccional para baixo durante alguns segundos e só depois para a esquerda ou direita, para o Buster Bunny sair correndo nessa direcção. Cada nível é composto por várias etapas, culminando sempre na etapa final onde defrontamos Montana Max como vilão temático do nível onde estamos. De resto, entre cada nível lá participamos nalguns minijogos opcionais onde poderemos ganhar vidas extra. Os minijogos podem ser de basquetebol, onde temos de fintar Pluckey Duck e encestar, de puxar a corda, ou dar toques em bolas de futebol até marcar golos. Ocasionalmente, no decorrer dos níveis lá podemos ir para uma espécie de roleta russa, onde podemos ganhar vidas, pontos, saúde, ou cenouras.

Ocasionalmente lá temos oportunidade de jogar numa roleta onde apenas perdemos algo se acertarmos no Dizzy Devil

No que diz respeito aos audiovisuais este é um jogo competente tendo em conta que corre num Gameboy clássico. As sprites são bem detalhadas, assim como os backgrounds dos níveis. As músicas são também agradáveis, incluindo não só a faixa temática da série, mas também alguns excertos de música clássica. Portanto, no fim de contas este é mais um jogo de plataformas sólido, embora não seja excelente. Para quem for fã do género ou da série Tiny Toon tem aqui mais um bom jogo para explorar.

Sobre cyberquake

Nascido e criado na Maia, Porto, tenho um enorme gosto pela Sega e Nintendo old-school, tendo marcado fortemente o meu percurso pelos videojogos desde o início dos anos 90. Fã de música, desde Miles Davis, até Napalm Death, embora a vertente rock/metal seja bem mais acentuada.
Esta entrada foi publicada em Gameboy, Nintendo. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.