Metroid II: Return of Samus (Nintendo Gameboy)

Metroid II Return of Samus

Metroid, a par de The Legend of Zelda,  é então das minhas séries preferidas da Nintendo. No entanto parece-me que a Nintendo não tem o mesmo carinho que eu por Samus Aran, existem muito menos Metroids que Marios, Zeldas ou mesmo Kirbies, ou quando Samus fez os seus 25 anos de existência, foi um facto completamente ignorado, ao contrário de Mario, Luigi ou The Legend of Zelda. Mas os poucos Metroids que há são na sua larga maioria excelentes jogos, embora existam alguns que fiquem um bocadinho aquém do patamar de excelência. Este Metroid II é um desses exemplos, sendo prejudicado pelo hardware monocromático da Nintendo Gameboy. Este jogo em particular foi-me oferecido por um colega de trabalho, em conjunto com um bundle de Gameboy. Infelizmente tenho só o cartucho, pelo que se um dia vier a arranjar uma versão completa do jogo, actualizarei o artigo.

Metroid II - apenas o cartucho, versão americana

A missão de Samus desta vez é bastante simples. Ir ao planeta SR-338, local nativo dos Metroids e exterminá-los a todos para que os Space Pirates não os possam utilizar novamente para más finalidades. E o jogo é assim mesmo, explorar o planeta de SR-338 e dizimar uma população de 40 metroids no geral, com o backtracking do costume de forma a encontrar novos upgrades que por sua vez nos dão novas habilidades. A grande diferença é que neste jogo podemos ver o processo evolutivo dos Metroids, desde a sua conhecida forma de “bébé” que mais parece uma alforreca, até à sua forma adulta mais reptiliana e letal. O confronto final é mesmo com uma Metroid Queen, onde uma pequena cria Metroid acaba por se afeiçoar a Samus, gerando depois a trama para o jogo seguinte – Super Metroid na SNES.

screenshot

E assim começa uma nova aventura

A jogabilidade mantém-se fiél aos restantes jogos clássicos da série, sendo um sidescroller com uma componente de exploração muito forte, mas com algumas ligeiras mudanças à fórmula. Existem vários beams, ou seja armas, que podemos encontrar ao longo do jogo, algumas novas como o Plasma beam. A diferença é que podemos carregar apenas uma dessas armas de cada vez e se quisermos voltar a usar uma das anteriores teremos de voltar ao local onde as encontramos pela primeira vez. Este é também o primeiro jogo da série que introduz a spiderball, um upgrade à já conhecida morphball que permite a Samus se rebolar em várias paredes ou mesmo tectos. Depois temos mesmo os novos Metroid que já referi, que vão sendo cada vez mais vorazes, desde os Alpha aos Gamma.

screenshot

Estas estátuas dos Chozo continuam espalhadas pelo jogo

Infelizmente devido ao ecrã monocromático da Gameboy, perde-se muito do impacto visual. Apesar de o jogo estar dividido em várias áreas diferentes, sendo tudo a preto-e-branco, não há uma grande distinção entre as mesmas. No entanto o detalhe gráfico, especialmente o das sprites, está muito superior ao que a NES é capaz de fazer. Apesar de monocromático ainda assim o jogo consegue ter alguns bons momentos de tensão tal como os clássicos. Sempre que temos de defrontar um Metroid ou as suas formas evolutivas a coisa fica sempre caótica. No entanto, se por um lado a falta de cores terá prejudicado o jogo, os efeitos sonoros e música continuam excelentes. A música que toca no ecrã-título é certamente das coisas mais tensas que já passaram num videojogo.

No fim de contas acho este um excelente jogo tendo em conta as limitações técnicas da Gameboy original, mas comparando este Metroid II com os grandes clássicos da série, então é um jogo que fica bem aquém desses. Se há jogos que mereciam um remake com todos os eye candy que nos são possíveis hoje em dia, e com uma área de jogo bem mais expandida, este Metroid II é um sério candidato a ocupar o topo dessa eventual lista.

Sobre cyberquake

Nascido e criado na Maia, Porto, tenho um enorme gosto pela Sega e Nintendo old-school, tendo marcado fortemente o meu percurso pelos videojogos desde o início dos anos 90. Fã de música, desde Miles Davis, até Napalm Death, embora a vertente rock/metal seja bem mais acentuada.
Esta entrada foi publicada em Gameboy, Nintendo. ligação permanente.

Uma resposta a Metroid II: Return of Samus (Nintendo Gameboy)

  1. Pingback: Super Metroid (Super Nintendo) | GreenHillsZone

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.