To the Moon (PC)

Este artigo foi escrito originalmente para a PUSHSTART #28 que pode ser lida aqui. O jogo entrou na minha colecção através de uma oferta de alguém que comprou um bundle em que o jogo fazia parte e já o tinha na sua colecção.

To the Moon

To the Moon é um jogo indie muito interessante principalmente pela forte história emocional que contém. Mas o que é mais curioso na minha opinião, é que o mesmo jogo foi desenvolvido utilizando a popular ferramenta RPGMaker, uma engine utilizada maioritariamente para desenvolver RPGs em 2D, que já existe desde o final da década de 80 em computadores japoneses. A maior parte dos jogos desenvolvidos com esta ferramenta são disponibilizados gratuitamente para download, poucos são os que acabaram por ser comercializados e este To the Moon é um deles.

O visual “pixel art” é algo que tem estado bastante em voga nestes últimos anos no seio da comunidade indie, e apesar de To the Moon ter sido desenvolvido com uma ferramenta algo limitada não deve ser visto com maus olhos, muito pelo contrário, pois apresenta uma história bastante interessante e emotiva quanto baste, quase que forçando o jogador em terminar o jogo de uma assentada só. Sem querer entrar muito detalhe na história, para não estragar a surpresa, To the Moon decorre um futuro próximo, colocando o jogador no papel dos Drs. Eva Rosaline e Neil Watts. Os protagonistas pertencem a uma empresa cujo objectivo consiste em realizar os sonhos de vida de doentes em fase terminal. Fazem-no através de um equipamento que os permite “invadir” a mente dos seus pacientes, visitando as suas memórias das mais recentes até às mais antigas, procurando encontrar a raíz do seu desejo, para que possam em seguida implantar novas memórias virtuais no seu paciente, realizando assim de certa forma o desejo.

screenshot

Preparem-se que vão ver este farol imensas vezes

O paciente desta aventura é um idoso de nome John que se encontra em coma e apenas com alguns dias de vida. Tem um desejo inexplicável de ir à Lua, pelo que a dupla que controlamos irá percorrer várias memórias da sua vida, descobrindo o passado misterioso de John até encontrar o motivo da sua vontade de ir à Lua. É nessa viagem pela mente de John que a história se vai desenrolando com uma forte carga emocional, com grande foco na relação de John com a sua falecida esposa River. Mas nem tudo é “lamechas”, para contrapor toda esta carga emocional, os diálogos e interacções entre Eva e Neil são habitualmente cómicos e sarcásticos, com Neil sempre a utilizar referências a pop-culture e Eva constantemente a falar mal de Neil.

Apesar de o jogo ter sido desenvolvido com o uso do RPGMaker, e visualmente se assemelhar a um RPG de Super Nintendo, de RPG não tem practicamente nada, a não ser uma pseudo-batalha entre Neil e um esquilo, logo nos primeiros momentos do jogo. Todo o resto do jogo comporta-se quase como uma visual novel e um jogo de aventura point and click. Ao longo do jogo podemos explorar o mundo que nos rodeia, recolhendo algumas notas e/ou objectos que sejam úteis para o resto do jogo. Quando invadimos a mente de Johnny, a ideia consiste em explorar as memórias em que estamos, ouvir os diálogos entre os intervenientes e começar a procurar objectos que sirvam de links para um memento que nos transporte a uma memória mais antiga. Quando estamos prontos para avançar para a memória seguinte (ou seja, recuar na vida de John) temos de resolver um pequeno puzzle, onde temos uma imagem quadrada do memento em si, coberta com alguns painéis. A ideia consiste em revirar filas inteiras de painéis até que a imagem fique a descoberto, sendo transportados em seguida para a outra memória e recomeçar todo o processo. Infelizmente estes puzzles são bastante simples, e enquanto existe a vontade de os completar com o mínimo número de movimentos possível, não existe nenhuma recompensa para o efeito.

screenshot

Neil e as suas tiradas…

Para além de uma escrita brilhante, To the Moon está acompanhado de uma banda sonora de qualidade. Com uma predominância no piano, To the Moon inclui uma série de músicas que se adequam perfeitamente à história e ao clima criado pela mesma. Temas tristes, tensos ou que provoquem um clima de suspense são dos mais habituais, mas ocasionalmente também ouvimos uma ou outra balada mais alegre. Os visuais são simples, lembrando os RPGs da era 16bit, conforme já foi referido. Contudo em certos pontos da história vão sendo exibidas algumas simples cutscenes com algum artwork mais trabalhado. É verdade que a escolha do RPGMaker para criar uma espécie de Visual Novel parece algo inusitada, mas os pontos fortes deste jogo são sem qualquer margem para dúvidas a sua excelente história e banda sonora. Os jogos indie cada vez mais tomam uma posição importante neste mercado, com imensos lançamentos criativos como este To the Moon. No final do jogo deu-se a entender que iria existir uma sequela, com Eva e Neil a dirigirem-se a um próximo paciente. Cá estarei à sua espera.

Sobre cyberquake

Nascido e criado na Maia, Porto, tenho um enorme gosto pela Sega e Nintendo old-school, tendo marcado fortemente o meu percurso pelos videojogos desde o início dos anos 90. Fã de música, desde Miles Davis, até Napalm Death, embora a vertente rock/metal seja bem mais acentuada.
Esta entrada foi publicada em PC com as etiquetas . ligação permanente.

2 respostas a To the Moon (PC)

  1. Já sabia deste jogo e estava curioso à já algum tempo. Boa análise. Sou capaz de lhe dar uma olhadela mais tarde 🙂

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.