Medal of Honor (2010) (PC)

MOH 2010Medal of Honor é uma série de videojogos (a sua maioria FPS) que ficou conhecida principalmente pelos jogos sobre a 2a Guerra Mundial. Call of Duty foi uma série surgiu uns tempos depois, claramente inspirada pelos primeiros. Mas jogos com o tema da 2a Guerra Mundial começavam a ser abundantes, então a série Call of Duty decidiu enveredar pelos caminhos das guerras modernas. O sucesso foi estrondoso e Medal of Honor decidiu tomar o mesmo caminho, tendo lançado em 2010 um jogo homónimo passado na guerra do Afeganistão. A minha cópia foi comprada na loja portuense TVGames. Custou-me algo em torno dos 3, 4€. Uma pechinha e e está completo.

Medal of Honor 2010 PC

Jogo completo com caixa, manual e papelada

Medal of Honor é na verdade 2 jogos em 1, a vertente singleplayer e multiplayer, desenvolvidas por estúdios diferentes, utilizando motores gráficos também diferentes. Irei-me inserir particularmente na componente “solo”, visto que nunca fui muito de perder muito tempo nos modos multiplayer seja de que jogo for. Esta vertente foi desenvolvida pelo estúdio da EA Danger Close e coloca-nos na pele de vários personagens de grupos de forças especiais nas primeiras operações dos Estados Unidos em solo Afegão, em 2002. Apesar de o jogo ser algo baseado em missões reais, existe toda uma história (ficção) e um feeling cinematográfico por detrás que retiram um pouco do seu realismo, como tem sido habitual na série. O modo campanha, é variado, apesar de curto. Desde missões nocturnas de resgate em aldeias ou cavernas repletas de talibãs, enormes ofensivas para capturar um aeródromo, marcar vários alvos inimigos para serem atingidos por fogo aéreo, missões puramente de sniper, outras de stealth, chegando também a voar num AH-64 Apache tal como no velhinho Desert Strike. Tal como vários FPS modernos, temos um número limite de armas que podemos carregar, sendo 1 faca para ataques melee, um revolver e 2 armas de maior porte que tanto poderão ser armas norte americanas, bem como outras armas conquistadas aos inimigos (na sua maioria as fiéis AK-47). Também existe o mecanismo de auto-healing que sempre foi algo que me irritou. Os controlos são semelhantes aos de Call of Duty (o que não é mau) com a novidade do “slide to cover”, que consiste em resvalar para um abrigo, durante um sprint. Nos controlos originais, este movimento é algo chato de se realizar, mas felizmente podemos alterar os controlos à nossa vontade.

screenshot

Mais um calmo dia no Afeganistão…

Conforme referi anteriormente, existe todo um feeling cinematográfico neste jogo. Os scripted events são uma constante e contribuem para toda a adrenalina, bem como todo o vocabulário militar utilizado entre  as personagens. Como consequência tornam o jogo bastante linear e apesar de as áreas serem relativamente grandes, estão repletas de barreiras intransponíveis. Infelizmente o jogo para além de curto é bastante fácil e a Inteligência Artificial dos inimigos deixa muito a desejar. Basta ser paciente que eles arranjam sempre maneira de se porem a jeito de levar um balázio. Ainda referente ao jogo singleplayer, existe um outro modo de jogo de nome Tier 1. Este é mais um modo de desafio, onde o jogador tem de percorrer as várias missões do jogo na mais alta dificuldade, sem checkpoints e saves. No fim de cada missão o tempo de a completar é afixado num ranking online. Já o modo multiplayer é também inspirado em vários outros jogos do género, com o jogador a assumir uma de 3 diferentes classes (rifleman, special ops e sniper) cada uma com diferentes características, bem como adquirir experiência de modo a desbloquear o uso de várias outras armas e items bastante úteis. Daqui existem vários modos de jogo, entre os quais “Combat Mission”, onde os americanos devem cumprir 5 objectivos num mapa para vencer a ronda, “Team Assault”, uma variante do conhecido Team Deathmatch, Objective Raid, onde os americanos têm de localizar e destruir/defender 2 objectivos dos Talibães e finalmente o “Sector Control”, cujo objectivo é capturar e defender alguns pontos espalhados no mapa. Existe um DLC com mais uns modos de jogo, mas não fiz o download.

screenshot

Dependendo do calibre da arma, o ambiente envolvente pode ser destruído. Claro que isso pode ser virado contra nós

Graficamente o jogo é bonito. Eu adquiri muito recentemente um laptop “jeitoso” e finalmente posso jogar os jogos HD que tenho perdido desde 2006, portanto irei achar muitos gráficos bonitos para os jogos mais recentes. Apesar de as modelações poderem ter mais detalhe, a iluminação na minha opinião ficou bem feita, os níveis que são jogados durante o dia são bastante mais apelativos que a monotonia das mantanhas à noite. De vez em quando lá surge um ou outro bug gráfico, em que as texturas detalhadas demoram um pouco a surgir. A banda sonora é que já não é lá grande coisa, Linkin Park nunca foi o meu género, mas a ideia de ter algum rock pesado para vários momentos de maior tensão e adrenalina não é uma má ideia, apenas um pouco mal executada, para os meus gostos. De resto a nível de efeitos sonoros e voice-acting o jogo é soberbo. Todas as armas parecem e soam realistas, a interacção entre os nossos colegas de combate, os Talibãs e Tchechenos a pragejar nas suas líguas, toda aqula gíria militar que nos chega constantemente ao ouvido são de facto muito agradáveis.

screenshot

Yay, gore!

Apesar de algumas falhas, eu achei este jogo bastante divertido, embora seja algo fácil e curto. Mas como ainda não tive a oportunidade de jogar a fundo nenhum Call of Duty da era moderna nem o novíssimo Battlefield 3, sinto que me falta alguma base de comparação mais sólida. Este Medal of Honor saiu também para PS3 e Xbox360, com a versão PS3 com um extra (em números limitados) de uma conversão para HD do clássico Medal of Honor Frontline da PS2/xbox/GC. Ainda assim, parece que a versão PC é a que se porta melhor a níveis de framerate e afins. Pelo que se não dão grande importância ao extra da versão PS3 eu diria que a versão PC é a melhor escolha.

Sobre cyberquake

Nascido e criado na Maia, Porto, tenho um enorme gosto pela Sega e Nintendo old-school, tendo marcado fortemente o meu percurso pelos videojogos desde o início dos anos 90. Fã de música, desde Miles Davis, até Napalm Death, embora a vertente rock/metal seja bem mais acentuada.
Esta entrada foi publicada em PC com as etiquetas . ligação permanente.

3 respostas a Medal of Honor (2010) (PC)

  1. Um jogo que não foi bem recebido por muitos mas que eu ao contrário desses, adorei e joguei umas três vezes com gosto. O Multiplayer é que é terrível, com falhas em vários aspectos, que me levaram a desistir ao final de umas quantas horas.

  2. Pingback: Medal of Honor: Airborne (PC) | GreenHillsZone

  3. Pingback: Medal of Honor Warfighter (PC) | GreenHillsZone

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.