The King of Fighters 2002 (Sony Playstation 2)

Vamos voltar à Playstation 2 para mais um breve artigo de um dos muitos The King of Fighters que esta consola recebeu. Lançado originalmente em 2002 (duh!) este jogo seguiu o mesmo conceito do KOF98, ao ser considerado um “torneio de sonho”, pois a saga dos NESTs tinha terminado no lançamento anterior e a Eolith/SNK Playmore aproveitou este jogo para reintroduzir muitas personagens de jogos anteriores. O meu exemplar foi comprado algures entre 2014 e 2016, creio que a um particular no facebook. Não me recordo quanto custou mas foi seguramente algo abaixo dos 10€.

Jogo com caixa e manual

Para além das “novas” personagens, outra das novidades deste KOF2002 foram mesmo as mudanças na sua jogabilidade. Os strikers e as equipas de 4 lutadores foram completamente descartados, após terem sido introduzidos no KOF99 e as coisas terem ficado um pouco fora de controlo no KOF2001. Assim sendo, este KOF2002 tem uma jogabilidade mais próxima dos clássicos, com equipas de 3. Uma vez mais a barra dos specials poderá atingir vários níveis de energia, inicialmente um máximo de 3, mas caso percamos um ou dois rounds, a barra poderá alcançar 4 ou 5 níveis respectivamente. Naturalmente que teremos vários golpes especiais ou técnicas de contra-ataque que vão consumindo a barra do special e poderemos também activar o Max Mode que, durante algum tempo, nos deixa mais poderosos e podemos executar alguns golpes especiais sem custos adicionais. Para além dos desperation moves, golpes poderosos que podem apenas ser desencadeados quando temos a barra de vida muito baixa, teremos também alguns golpes ainda mais devastadores que podem ser activados nas mesmas condições e com o Max Mode activado. Um outro detalhe interessante é que, em cada combate antes de chegar aos bosses, poderemos escolher defrontar uma de 2 possíveis equipas adversárias.

O elenco de personagens disponíveis é bastante grande!

A versão PS2, tal como tem vindo a ser habitual, tem vários modos de jogo. O team play e team vs são adaptações do original arcade, seja para 1 jogador ou para 2, no caso do versus. Temos também, no entanto, a possibilidade de jogar em combates sem equipas de 3, mas sim em confrontos de 1 contra 1 puros, tanto em single player, como em versus para 2 jogadores. Um modo para treino também está aqui presente e agora temos também os challenges, que é essencialmente um modo survival, mas dividido em 3 sabores distintos: team attack, single attack e time attack. Os primeiros dois são survival puro e duros, com a diferença de termos direito a usar uma equipa de 3, ou apenas 1 lutador. Já no time attack vamos ter vários desafios para derrotar uma série de oponentes dentro de um tempo limite cada vez mais apertado.

O que mais podemos ver nos backgrounds são aparências de outras personagens do universo SNK!

A nível audiovisual este é um jogo interessante, tendo em conta que, uma vez mais, saiu num hardware de 1990. A versão original possui as habituais sprites bem detalhadas e animadas, já os cenários confesso que são uma grande melhoria face aos cenários algo medíocres dos dois títulos anteriores. São arenas que representam países e não são necessariamente pensadas para cada uma das equipas, mas a verdade é que estão muito bem representadas, muitas delas com várias variações ao longo do dia e repletas de pequenos detalhes, como muitos cameos de outras personagens do universo da SNK. A versão PS2, tal como aconteceu em muitas outras versões para as consolas desta geração, possui no entanto os mesmos cenários em 3D poligonal. Não ficaram nada maus, particularmente aqueles onde o 3D é muito discreto, mas temos sempre a possibilidade de ir às opções e activar os cenários 2D, que sinceramente prefiro. Já as músicas têm geralmente uma toada mais rock que me agrada.

As arenas em 3D até que não ficaram más, mas podem sempre reverter para os gráficos originais nas opções.

Portanto estamos aqui perante um jogo de luta bastante sólido por parte da SNK, agora sob o nome de Playmore. Achei curioso o facto de eles terem descartado por completo o sistema dos strikers, devo dizer que não gostei muito da implementação que lhe deram no KOF2001, mas não estava à espera que descartassem esse sistema de todo. A nível audiovisual foi mais um jogo muito bem trabalhado e que uma vez mais espremia o hardware da Neo Geo até ao tutano! A versão PS2 prima pelos modos de jogo adicionais, novas personagens desbloqueáveis e arenas em 3D, embora isso possa ser revertido nas opções. A Neo Geo viria ainda a receber o KOF2003, que traz mais umas quantas novidades, pelo que esperem em breve por uma análise da conversão PS2 também. Curiosamente a SNK Playmore, tal como aconteceu no KOF98, viria a lançar um remake deste KOF2002, o Ultimate Match. Para além de introduzir ainda mais personagens jogáveis, parece que traz também uma série de outras novidades que gostaria de explorar num dia destes. Infelizmente o lançamento PS2 dessa versão nunca chegou a sair cá na Europa, mas também se compreende, pois é um lançamento de 2009.

Sobre cyberquake

Nascido e criado na Maia, Porto, tenho um enorme gosto pela Sega e Nintendo old-school, tendo marcado fortemente o meu percurso pelos videojogos desde o início dos anos 90. Fã de música, desde Miles Davis, até Napalm Death, embora a vertente rock/metal seja bem mais acentuada.
Esta entrada foi publicada em PS2, Sony com as etiquetas , , . ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.