Medievil 2 (Sony Playstation)

Eu não joguei muito o primeiro Medievel, passei logo para o seu remake na Playstation Portable. Mas este tinha sido um jogo lançado originalmente para a Playstation original algures em 1998 e teve sucesso suficiente para receber uma sequela 2 anos mais tarde, ainda para a mesma plataforma. O meu exemplar sinceramente já não sei precisar ao certo quando o comprei, mas lembro-me que foi na feira da Vandoma no Porto, tendo-me custado 1,5€.

Jogo com caixa

Enquanto o primeiro jogo decorria na Idade Média, onde um poderoso feiticeiro cria um exército de vampiros e Sir Daniel Fortesque que teoricamente o tinha derrotado uns bons anos atrás, é também ressuscitado como zombie e cabe-lhe a ele o papel de derrotar o feiticeiro. Ora esta sequela já decorre uns quantos séculos depois dos acontecimentos do primeiro jogo, em plena era Victoriana, com um outro feiticieiro a lançar novamente o mesmo feitiço que ressuscita os zombies, e Sir Daniel a ser novamente ressuscitado para uma vez mais ter de confrontar o novo vilão e o seu exército de zombies e outras criaturas tenebrosas.

Este fantasma vai-nos acompanhando ao longo de todo o jogo, para além de nos dar algumas dicas úteis, também é ele que nos permite gravar o progresso no jogo.

Este é então um jogo de acção/plataformas em 3D, onde teremos diversos níveis diferentes para ultrapassar e Sir Daniel poderá a vir coleccionar uma grande variedade de armas, umas melee como espadas ou martelos, outras de médio/longo alcance como pistolas, bestas ou mesmo uma gatling gun que podemos desbloquear mais tarde. Em todos os níveis teremos dezenas de inimigos para defrontar e o jogo encoraja-nos mesmo a que derrotemos o máximo de inimigos possível, pois só assim poderemos apanhar os diferentes cálices espalhados em cada nível e posteriormente desbloquear novas armas. O jogo possui também um foco considerável em resolver puzzles, seja ao procurar itens e usá-los nos locais certos, seja ao manipular objectos como caixas e afins. Por exemplo, um dos níveis leva-nos a uma mansão repleta de vampiros e a única maneira que os temos de os derrotar é encaminhá-los a levarem com luz solar directamente, sendo que para isso teremos muitas vezes de resolver alguns puzzles antes. A certa altura ganhamos também a habilidade de controlar cabeça de Dan separadamente, juntando-a a umas mãos que nos acompanham, permitindo-nos explorar algumas passagens estreitas, algo habitualmente necessário para resolver alguns puzzles.

Os níveis vão sendo bastante diversificados entre si, com a primeira zona a explorar ser o mesmo museu onde Sir Daniel estava sepultado

Infelizmente os controlos não são os melhores, Daniel ataca de uma forma algo atabalhoada e por vezes os inimigos precisam mesmo de levar bastante pancada para serem finalmente derrotados, o que se traduz em muito dano sofrido pelo meio. É verdade que também podemos defender com um escudo, mas este apenas consegue absorver uma certa quantidade de dano antes de partir. Para além disso os segmentos de platforming por vezes são algo frustrantes, com Daniel a ser incapaz de saltar curtas distâncias sem antes ganhar algum balanço.

Alguns dos inimigos são puramente ridículos!

Mas controlos à parte, tecnicamente é um jogo impressionante e muito agradável. Tecnicamente, para uma Playstation 1 achei o jogo muito bom graficamente, com cenários e personagens bem detalhados. Os cenários vão sendo também bastante variados e, apesar de se passar na era victoriana e não na idade média, os cenários continuam com aquele aspecto sinistro, mas não propriamente assustadores. Parece mesmo que estamos num filme do Tim Burton! E depois temos uma vez mais todo o bom humor, que está presente não só na narrativa, mas também nalguns momentos chave do jogo, como o combate entre Frankensteins ser logo aquele que me vem imediatamente à cabeça. A narrativa, para um jogo de PS1 também a achei muito boa e bem humorada!

Este é provavelmente um dos confrontos mais hilariantes que temos no jogo

Portanto devo dizer que até gostei deste Medievil 2, se não fosse por o sistema de combate e platforming não ser o mais convidativo, poderia mesmo ser um grande clássico da Playstation. Entretanto a série viu mais um remake a ser produzido para o primeiro jogo, tendo sido lançado para a PS4 algures em 2019. Ainda não o joguei, mas quem sabe se não teremos um remake deste também?

Sobre cyberquake

Nascido e criado na Maia, Porto, tenho um enorme gosto pela Sega e Nintendo old-school, tendo marcado fortemente o meu percurso pelos videojogos desde o início dos anos 90. Fã de música, desde Miles Davis, até Napalm Death, embora a vertente rock/metal seja bem mais acentuada.
Esta entrada foi publicada em PS1, Sony com as etiquetas . ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.