Nightbreed (ZX Spectrum)

Continuando pelas rapidinhas, hoje voltamos ao mítico ZX Spectrum, o microcomputador 8bit da Sinclair que levou vários países europeus ao rubro. Nightbreed foi um filme de terror do início da década de 90, realizado por Clive Barker, já conhecido autor e realizador de livros e filmes do género. E tal como muitos filmes da década de 80 e 90, a britânica Ocean Software acabou por garantir os direitos para uma conversão para videojogos, que foi lançada para variados sistemas na altura. O meu exemplar foi comprado algures no final do ano passado na Feira da Vandoma no Porto por 5€. É um jogo 100% original.

Jogo em caixa com manual

O jogo tenta seguir mais ou menos a história do filme, onde encarnamos no Aaron Boone, que viaja até ao mundo de Midian, onde monstros vivem e outros seres renegados pela humanidade vivem, os chamados Nightbreed. Eventualmente coisas acontecem e temos de salvar os Nightbreed para além da nossa namorada Lori que por sua vez foi raptada pelo psiquatra/serial killer Dr. Phillip Decker… bom, perdi-me aqui pelo meio, tenho mesmo de ver o filme.

Os cenários até que estão bem detalhados para o Spectrum. O problema está mesmo na falta de cor das sprites que nos screnshots dificulta as coisas

Na sua essência, este jogo é um sidescroller/plataformas, com um bocadinho de Metroid pelo meio visto que teremos de explorar o cenário e fazer algum backtracking, seja para procurar itens, falar com alguns NPCs e por aí fora. Temos um botão para saltar e um outro para atacar, o que pode ser um nadinha frustrante visto que o nosso ataque principal é um pontapé quando alguns dos nossos inimigos estão equipados com metralhadoras e não têm medo de as usar. O sistema de saúde/vidas é interessante. Inicialmente dispomos 3 vidas que são identificadas com 3 caras humanas no canto superior direito do ecrã. Cada vez que sofremos dano, uma das caras vai-se transformando em caveira e assim que estiver completamente transformada, é como se perdesse uma vida e o dano que vamos recebendo começa a deformar a cara seguinte. Entretanto por vezes lá vemos umas bolhas de ar a percorrer o ecrã e sempre que as tocamos, a nossa vida vai regenerando. Entretanto, se já tivermos uma ou mais caveiras completes, essas não podem ser regeneradas, são mesmo vidas perdidas.

Portanto este acaba por ser um jogo desafiante, na medida em que inicialmente não sabemos muito bem o que fazer nem como recuperar dano perdido (e vamos perder muita vida), e o combate nem sempre é satisfatório pelo curto alcance dos nossos pontapés. Por outro lado, a nível audiovisual, este é um jogo decente para um ZX Spectrum, com cenários bem detalhados, que mostram um submundo demoníaco e desolador. Sendo este um jogo que suporta o ZX Spectrum 128K e respectivas variantes, existem também algumas músicas que vamos poder ouvir aqui e ali. Só é chato que esteja constantemente a pedir para carregar no play, stop e rewind quando andamos a navegar de um lado para o outro no mapa.

Sobre cyberquake

Nascido e criado na Maia, Porto, tenho um enorme gosto pela Sega e Nintendo old-school, tendo marcado fortemente o meu percurso pelos videojogos desde o início dos anos 90. Fã de música, desde Miles Davis, até Napalm Death, embora a vertente rock/metal seja bem mais acentuada.
Esta entrada foi publicada em ZX Spectrum com as etiquetas . ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.