Black (Sony Playstation 2)

black_ps2E aqui está a primeira análise de um jogo de PS2 neste blogue. Black é um First Person Shooter desenvolvido pela Criterion Games (a mesma produtora de Burnout) para as consolas PS2 e Xbox, lançado em 2006. A minha cópia foi comprada +/- na mesma altura em que comprei a minha PS2, algures em Janeiro/Fevereiro deste ano, por cerca de 10€ numa Worten da Maia. Está em óptimas condições, é a versão portuguesa, com os textos da caixa e manual traduzidos (embora o manual esteja cheio de erros).

Black PS2

Jogo completo com caixa e manual PT

Black é um FPS repleto de acção non-stop, inimigos por todo o lado, muitas balas no ar, uns gráficos fenomenais, mas no fim ainda deixa um pouco a desejar nalguns aspectos. Comecemos pelo início, em Black estamos na pele de Jack Kellar, membro de uma força especial de elite “Black Ops” (fãs de Call of Duty conhecem o termo). Na cinemática de início Jack está preso por alguma instituição governamental/militar norte-americana, a ser interrogado acerca da sua campanha contra o grupo terrorista Seventh-Wave. À medida que Jack vai falando, vamos sendo transportados para as missões em si. Desde a primeira missão somos logos colocados em plena Europa de leste (mais precisamente na Chechénia), numa cidade sob guerra e fogo. Jack Kellar vai, em conjunto com mais um ou outro membro do seu esquadrão, perseguir o líder da organização terrorista, destruindo fábricas de armamento e outras bases inimigas pelo caminho. Ao longo do caminho para avançar no jogo temos de desobedecer a algumas ordens directas dos superiores, daí Jack Kellar se encontrar detido e em interrogatório no início do jogo.

screenshot

Tanta coisa pelo ar!

Black é um FPS bastante visceral, com muita acção a um ritmo quase constante. E o que torna a experiência agradável é que a nível gráfico e sonoro o jogo é tão competente, que toda essa acção com muitas poucas pausas é benvinda, o jogo prende mesmo a atenção do jogador motivando para dar mais uns quantos tiros. O que tem o Black assim de tão especial no quesito gráfico? Se compararmos com os jogos de hoje, Black não tem nada de especial. Mas se virmos que o jogo está a correr numa PS2 então o caso muda completamente de figura. Armas, soldados, objectos e demais modelos bem detalhados, efeitos de iluminação muito bons, e uma fisica de partículas nunca antes vista numa PS2. Os cenários são parcialmente destrutíveis, os vidros estilhaçam-se, algumas paredes, pilares, muros podem ser despedaçados com uns valentes tiros de metrelhadora pesada, uma granada ou um lança rockets, a maneira como os corpos dos soldados inimigos voam depois de uma explosão, etc. Estes elementos todos conjugados propiciam uma experiência fantástica ao longo do jogo. Principalmente na 2a metade do jogo, onde irão acontecer muitas batalhas épicas em plenos cenários urbanos, é um autêntico eye-candy a tempestade de balas que ocorre, a destruição o cenário, os estilhaços no ar, a poeira que se forma, a visão a ficar cada vez mais turva e só se vê o clarão das metralhadoras dos inimigos… delicioso. A nível sonoro Black é bastante competente. A acção constante imploram que se ponha o volume no máximo para apreciar todos os tiros, explosões e consequente destruição que o jogo oferece. A nível de música, confesso que com toda a acção não dei muita atenção à música, mas a mesma é mais “ambiente”, subindo de tom em momentos de maior tensão.

screenshot

Belos efeitos de luz

A jogabilidade de Black assenta muito nesta questão dos cenários serem parcialmente destrutíveis. Podemos mandar-nos à Rambo para o meio da acção, mas não duramos muito tempo. A chave está em procurar um abrigo para nos protegermos do fogo inimigo e ao mesmo tempo ganhar alguma vantagem. Os cenários estão repletos de objectos que podem ser explosivos, desde carros, bidões de óleo, gás, etc. Os inimigos não são burros e quando entram em modo de combate usam muito os esconderijos para se protegerem, enquanto vão flanqueando o jogador. Disparar sobre estes objectos, ou atirar uma ou outra granada para um grupo de inimigos é muitas vezes um salva vidas. O problema é que os inimigos não são burros, como eu já disse, e vão tentando destruir o nosso esconderijo da mesma maneira que tentamos fazer o mesmo. Apesar de o jogo ser bastante linear, existem alguns caminhos alternativos que permitem desenhar estratégias diferentes de ataque. A controlabilidade é a mesma dos FPS genéricos que vi na PS2 até agora, contudo o jogo oferece uma customização quase total dos botões de jogo, podendo o utilizador adaptar o esquema de controlo que mais preferir. Contudo sinto a falta de um botãozinho para saltar ou correr, a personagem do jogo move-se muito devagar para o meu gosto. Também só podemos carregar 2 armas de cada vez (mais granadas), à semelhança dos FPS modernos.

screenshot

Reparem na destruição dos cenários provocada pelo tiroteio

Tudo o que falei agora pode ter deixado o leitor com uma vontade enorme de pegar neste jogo, contudo há um ou outro problema a referir. Diz-se que “tudo o que é bom acaba depressa”, e é o que acontece em Black. Ao fim de cerca de 6h o jogo acaba. E o que se pode fazer depois? Bom, ao longo de cada missão há uma série de objectivos secundários “secretos” que se pode cumprir, desde recolha de “intel” acerca da organização terrorista (documentos), armas escondidas, e até a destruição de provas incriminatórias do governo norte-americano nalguns incidentes, que poderiam ser usadas pelos terroristas para chantagem. Tudo bem, isto até adiciona alguma motivação extra para fazer uma maior exploração dos mapas, mas o que ganhamos em apanhar todos os items? Nada. Apenas na última dificuldade (Black Ops) é que somos obrigados a recolher todos os items para avançar na missão. Para além de ser um FPS algo curto, a maior falha é não ter nenhum modo multiplayer. Numa era em que todo o FPS que se preze tem de ter multiplayer, seja em splitscreen ou online, tanto a versão PS2 como Xbox não possuem nenhum. Bom, a mim isso não faz muita diferença porque eu costumo jogar jogos de consola sozinho, e mesmo se quisesse jogar online hoje em dia os servidores oficiais da PS2 estão em baixo (talvez o Final Fantasy XI ainda esteja online, não sei). A única coisa que realmente me irritou no jogo todo foi que embora Black tenta ser uma experiência realista, os inimigos são incrivelmente chatos para se matar. Alguns quase que é necessário descarregar uma munição inteira de metralhadora neles. Se for headshot a morte é quase instantânea, mas no meio de toda a confusão é complicado mandar sempre headshots. Para uns inimigos corpolentos equipados de uma shotgun e de uma máscara metálica um headshot não é suficiente e lá mais para o final do jogo começam a surgir inimigos com escudos, embora o escudo ao fim de bastantes tiros começar a ceder, mais vale mandar umas granadas logo para acabar com a questão, ou então tirar proveito da destruição dos cenários. Outro problema menor é a pouca variedade do jogo.

screenshot

Mais caos!

Felizmente estes problemas não retiram muito do prazer que é jogar Black. Apesar de ser um FPS curto e não ter multiplayer, não deixa de ser um grande feito técnico na PS2, proporcionando também muitas horas de acção intensa. Na altura em que o post está a ser escrito, ainda se encontra facilmente o jogo novo por cerca de 10€, talvez um pouco menos se for usado, pelo que é uma pechincha que todos os donos de PS2, amantes de acção deveriam aproveitar.

Sobre cyberquake

Nascido e criado na Maia, Porto, tenho um enorme gosto pela Sega e Nintendo old-school, tendo marcado fortemente o meu percurso pelos videojogos desde o início dos anos 90. Fã de música, desde Miles Davis, até Napalm Death, embora a vertente rock/metal seja bem mais acentuada.
Esta entrada foi publicada em PS2, Sony com as etiquetas , . ligação permanente.

2 respostas a Black (Sony Playstation 2)

  1. Este jogo foi daqueles que me surpreendeu de duas maneiras: pela positiva e pela negativa, por todos os motivos que mencionaste na análise. Ainda assim adorei o jogo e foi sempre a abrir até estar tudo completo. 🙂

  2. Pingback: Battlefield 2: Modern Combat (Sony Playstation 2) | GreenHillsZone

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.