Missile Command (Atari 2600)

Missile Command é daqueles jogos que só poderiam ter surgido no clima de guerra fria bem acentuado que ainda se vivia na década de 80, onde as grandes potências viviam num receio constante de um eventual holocausto nuclear que poderia surgir  sempre que os EUA ou a USSR se desentendessem. Apesar da história oficial por detrás deste jogo envolver 2 civilizações alienígenas de planetas diferentes que se atacam uma à outra, o seu paralelismo com a realidade da Guerra Fria é inegável. O meu exemplar veio de um bundle recente de consolas, jogos e acessórios que comprei no passado mês de Junho numa feira de velharias por 25€.

Cartucho solto

O objectivo neste jogo é simples, nós temos de defender uma série de cidades que estão debaixo de fogo inimigo, com vários mísseis a serem disparados pelos céus, bem como outras naves/aviões que também nos tentarão atacar e destruir as cidades. Para defesa temos um canhão central que nos permite disparar até 3 mísseis de seguida para nos defendermos dos ataques inimigos. Para isso podemos mover livremente um cursor e, depois de pressionar o botão de fogo, um dos nossos mísseis será disparado e irá detonar na posição onde tínhamos o cursor posicionado quando pressionamos o botão. A sua explosão alcança um raio considerável, destruindo todos os mísseis e inimigos que apanha. À medida que os mísseis inimigos vão sendo lançados, eles vão deixando um rasto que nos deixa prever a sua trajectória, no entanto mais para a frente teremos também outras ameaças a ter em conta que já são mais complicadas de prever o seu movimento.

No centro temos o canhão que usamos para lançar os nossos mísseis defensivos. Ao lado, 6 cidades que teremos de defender

Como muitos outros jogos tipicamente arcade da época, este Missile Command não tem fim, com o objectivo ser o de sobreviver o máximo possível, bem como melhorar a nossa pontuação máxima. Temos apenas 30 mísseis disponíveis para usar em cada ronda e o jogo acaba quando já não tivermos nenhuma cidade para defender. Mas atenção que a cada 10000 pontos que amealhamos, o jogo recupera automaticamente uma das cidades que ficaram destruídas! De resto a jogabilidade da versão Atari é um pouco mais simplificada face à versão arcade, pois no original havia uma maior variedade de inimigos e tínhamos 3 canhões para usar, ao invés de apenas um.

No que diz respeito aos gráficos, esta versão é bastante simples, como seria de esperar. No entanto os gráficos são bastante funcionais para a jogabilidade intuitiva que Missile Command apresenta. Sempre gostei do efeito gráfico do rasto dos mísseis! A nível de som, as coisas também são bastante simples e funcionais.

Sobre cyberquake

Nascido e criado na Maia, Porto, tenho um enorme gosto pela Sega e Nintendo old-school, tendo marcado fortemente o meu percurso pelos videojogos desde o início dos anos 90. Fã de música, desde Miles Davis, até Napalm Death, embora a vertente rock/metal seja bem mais acentuada.
Esta entrada foi publicada em Atari 2600. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.