Red Faction II (Sony Playstation 2)

red faction2Estive uns dias ausente, pelo que os updates aqui ao tasco têm ficado pendentes. No seguimento do post anterior trago aqui a sequela de Red Faction, um jogo muito diferente do seu predecessor, onde melhoraram em vários aspectos, embora num ou noutro nem tanto. A minha cópia foi comprada na loja portuense TVGames há um ou outro mês atrás, tendo-me custado sensivelmente 4€. O jogo está completo e em boas condições.

Red Faction 2 PS2

Jogo completo com caixa e manual

Longe estão os túneis monótonos das minas em Marte (embora ainda haja um ou outro cenário mais claustrofóbico), e as referências a Red Faction 1 são mínimas. Quem jogou o original, descobriu as experiências genéticas com recurso a nanotecnologia que eram feitas em seres humanos. Acontece que no final do primeiro jogo essa tecnologia foi roubada e trazida para a Terra, mais precisamente para Commonwealth, um império liderado pelo tirano ditador Sopot. O ditador usou essa tecnologia para criar um exército de super-guerreiros, modificados tecnologicamente de modo a ficarem mais fortes, ágeis e inteligentes. Posteriormente Sopot arrependeu-se do que criou pois temia que os soldados se voltassem contra ele e ursupassem o seu poder. Sendo assim, ordenou à sua guarda de elite que os assassinassem, sendo que deste massacre 6 guerreiros sobreviveram. Liderados por Molov, os 6 guerreiros juntam-se ao movimento rebelde Red Faction e formam um esquadrão especial, com o objectivo de assassinar Sopot e por um fim à sua tirania. O jogador encarna o papel de Alias, um dos 6 guerreiros, especialista em demolições (explosivos, vá).

Enquanto que o jogo original era muito inspirado em Half-Life, sem níveis/mapas, mas sim um gigantesco mapa separado por várias áreas, aqui as coisas são um pouco mais tradicionais. Apesar de os vários níveis terem alguma sequência lógica, e a sua transição se faça de forma “suave” (por intermédio de um ecrã de loading), os níveis são lineares e a partir de um determinado nível não é possível regressar ao anterior. Contudo, através do menu principal temos a liberdade de re-jogar qualquer dos níveis que tenhamos desbloqueados, podendo inclusive escolher qual o checkpoint onde começar. A estrutura dos níveis também é bastante variada, principalmente tendo em conta a monotonia que se fazia sentir nas minas de Marte. Aqui os cenários são maioritariamente urbanos (mas futuristas e em clima de guerra), com incursões por esgotos, pontes, túneis de metro, igrejas, bases militares e laboratórios. Red Faction também foi bastante conhecido pela sua tecnologia “Geo-Mod” que permitia a modificação dinâmica do meio ambiente através de armas explosivas. Essa funcionalidade voltou, e embora não seja possível escavar túneis enormes como nas minas de Marte, a verdade é que esta tecnologia está presente no jogo todo, ao invés de estar presente mais no início, como aconteceu na prequela. Em Red Faction 2 existem imensas paredes de menor espessura que podem ser inteiramente destruídas, bem como equipamentos electrónicos, mobília, etc. É frequente em batalhas mais intensas ver estilhaços pelo ar do cenário que vai sendo destruído. Contudo nem todos os materiais podem ser destruídos o que até se compreende, pois estragaria a linearidade e os scripts existentes nos vários níveis.

screenshot

Apesar de estarem melhor que em Red Faction 1, os modelos ainda poderiam ser mais trabalhados

Também como Red Faction existem veículos que podemos manobrar. Tanques de guerra, naves, submarinos e mechas podem ser utilizados, embora apenas no submarino o no “mecha” temos controlo absoluto do que estamos a fazer, nos restantes veículos o jogo torna-se “on rails”, pois os mesmos são manobrados por Shrike (o especialista em veículos do esquadrão) sendo que nós apenas tomamos conta das armas. Falando em armas, Red Faction 2 possui um imenso arsenal. São 14 armas no total, sendo que 3 delas podem ser utilizadas aos pares e a maioria possui 2 modos de disparo. Desde pistolas, várias metralhadoras, snipers, lança granadas, armas que misturam várias coisas, há de facto muita coisa a escolher. Algumas favoritas da prequela estão de volta, como a extremamente útil Railgun. Esta arma tem um visor raio-x que permite ver através das paredes e descobrir os inimigos. O seu disparo atravessa paredes e pode matar vários inimigos num único disparo, se os mesmos estiverem em fila. Para além desta grande variedade de armas, existem também 4 tipos diferentes de granadas que podem ser usadas independentemente. E o cúmulo disto tudo é que a personagem pode carregar toda esta catrafada de armas ao mesmo tempo, tornando a sua troca num momento quente de batalha algo desajeitada. Uma outra “inovação” trazida por Red Faction 2 é a questão do heroísmo. Se matarmos civis inocentes ou colegas da Red Faction, são-nos retirados pontos de heroísmo. Ao concluir objectivos de bónus escondidos ao longo dos níveis são-nos dados pontos de heroísmo. Este balanço é ligeiramente importante para determinar o final do jogo, onde podemos ser recebidos como heróis ou como assassinos.

Screenshot

Visor especial da Railgun, que permite localizar inimigos através de paredes

A nível gráfico houve uma boa evolução por parte da Volition. Temos de ter em conta que isto ainda é um jogo de 2002, não tem os mesmos gráficos de um Black ou Killzone, por exemplo. No entanto melhoraram imenso nas texturas ao apresentarem cenários bem mais variados que anteriormente. Existem também vários efeitos de partículas a voarem pelo ar enquanto as coisas são destruídas que, apesar de não serem tão bons como no Black já são agradáveis e algo inovadores para a época. Os modelos também apresentam mais polígonos e detalhe, em especial os inimigos. Gostei bastante dos efeitos eléctricos que aparecem nalguns níveis. Passando para o som, bem aqui é que já não gostei nada. Enquanto que os efeitos sonoros são competentes (não prestei atenção à música), as vozes são do mais irritante que há. Principalmente a voz do ditador Sopot, que está CONSTANTEMENTE a debitar propaganda política. O pior é que tal propaganda não se ouve apenas no jogo em si, mas também nos menus! Grande ideia, Volition.

Red Faction 2 apresenta também um modo multiplayer que é bem mais completo que o original. Permite acção em split screen até 4 jogadores, numa gama de 40 mapas diferentes. Os modos de jogo possuem as habituais variações de Deathmatch e Capture the Flag, bem como alguns modos de jogo diferentes como o “Regime”, onde um jogador assume o papel de Ditador, e todos os outros têm como objectivo eliminá-lo. Existe também uma liberdade considerável na customização das partidas multiplayer, limitando as armas possíveis de serem utilizadas, os powerups, a inteligência artificial dos bots, entre outros.

screenshot

Conduzir um mecha nunca foi tão divertido

Antes de finalizar, que o post já vai um pouco longo, há que louvar o conteúdo desbloqueável incluído em Red Faction 2. Ao completar os níveis nos vários graus de dificuldade e completar os objectivos de bónus vamos desbloqueando várias coisas no jogo. Desde batotas que poderemos utilizar como munições infinitas, passando por artworks, modelos das armas e das personagens, bem como alguns vídeos, incluindo o Making Of e uma pseudo-entrevista bem humorada às personagens de Summoner 2 (também da Volition e THQ). Isto é altamente convidativo a voltar a jogar o modo single player, de forma a descobrir tudo o que os níveis têm para oferecer, porque de outra forma o jogo completa-se algo rapidamente.

Sobre cyberquake

Nascido e criado na Maia, Porto, tenho um enorme gosto pela Sega e Nintendo old-school, tendo marcado fortemente o meu percurso pelos videojogos desde o início dos anos 90. Fã de música, desde Miles Davis, até Napalm Death, embora a vertente rock/metal seja bem mais acentuada.
Esta entrada foi publicada em PS2, Sony com as etiquetas , . ligação permanente.

Uma resposta a Red Faction II (Sony Playstation 2)

  1. Anónimo diz:

    É muitn legal o red faction 1 mais o 2 é melhor apesar do grafico

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.