To the Earth (Nintendo Entertainment System)

Continuando pelas rapidinhas, hoje vamos cá trazer o To the Earth, um interessante, porém bastante frustrante, light gun shooter para a NES, que apenas foi lançado no Ocidente, nunca chegou ao Japão. O meu exemplar custou 8€, veio de uma Cash Converters algures em Lisboa.

Apenas cartucho

O conceito do jogo é muito simples: o Planeta Terra está prestes a ser invadido por uma força alienígena e cabe-nos a nós impedir que o pior aconteça. O cliché do costume, portanto! O problema é que a última (ou única?) defesa da humanidade é uma nave espacial poderosa, mas que está localizada numa estação espacial para lá de Urano. O jogo leva-nos então ao longo de 4 níveis onde vamos atravessar vários planetas do sistema Solar (Urano, Saturno, Júpiter) até finalmente chegarmos ao planeta Terra e sua Lua. Pelo caminho teremos muitos inimigos para abater, bem como asteróides que teimam em atrapalhar a nossa rota.

Ao longo do jogo vamos visitar vários planetas do sistema solar, incluindo Saturno

Portanto, sendo este um light gun shooter esperem por ver naves espaciais a surgir no ecrã e termos de as destruir. No entanto não é um jogo nada fácil, pois rapidamente vemos que as naves atravessam o ecrã demasiado rápido e vão lançando mísseis na nossa direcção, que também não são propriamente lentos. Portanto reflexos rápidos e uma pontaria exímia (esqueçam a ideia de jogar isto num emulador) são requisitos obrigatórios. Temos um escudo cujo nível de energia aparece indicado no ecrã e vai diminuindo com cada embate que sofremos. Por outro lado, se conseguirmos atingir os inimigos ou asteróides, a barra de energia vai-se regenerando um pouco. Também vamos tendo alguns power ups que ocasionalmente surgem no ecrã. No canto inferior direito pode-nos aparecer uma estrela que na verdade é uma daquelas bombas que limpam todos os inimigos do ecrã. No canto inferior esquerdo pode-nos aparecer um power up que regenera os nossos escudos. No centro do ecrã pode aparecer um outro que nos dá uma protecção adicional, protegendo-nos dos próximos 7 impactos sofridos. E claro, no final de cada nível temos um boss para defrontar.

Mais do que as naves inimigas, temos mesmo é de estar atento a estes mísseis

Do ponto de vista técnico, gosto da maneira relativamente suave como as sprites das naves escalam. Inicialmente são pequenos pontos no ecrã, que vão crescendo de tamanho (na verdade vão sendo substituidas por outras sprites) à medida que se vão aproximando de nós. Fora isso, não acho que seja um jogo fora de série, os backgrounds são bastante simples e as músicas, apesar de serem agradáveis, poderiam ser mais variadas, visto que ao longo de todos níveis vamos ouvindo sempre a mesma música.

Portanto este To the Earth é um jogo que até teria potencial para ser melhor. A sua dificuldade não ajuda, mas se houvessem alguns power ups adicionais como rapid-fire, ou simplesmente maior variedade dos inimigos que surgem no ecrã, era mais agradável.

Sobre cyberquake

Nascido e criado na Maia, Porto, tenho um enorme gosto pela Sega e Nintendo old-school, tendo marcado fortemente o meu percurso pelos videojogos desde o início dos anos 90. Fã de música, desde Miles Davis, até Napalm Death, embora a vertente rock/metal seja bem mais acentuada.
Esta entrada foi publicada em NES, Nintendo. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.